Dependência Afetiva - Mulheres que Amam Demais!

05/09/2010 19:43

“Quando estarmos apaixonados significa sofrimento; quando a maior parte das nossas conversas com amigas íntimas é sobre ele, os seus problemas, o que ele pensa, os seus sentimentos… quando quase todas as nossas frases começam por «ele…», estamos a amar de mais.
Quando lhe desculpamos o mau humor, o mau gênio, a indiferença ou os atribuímos a uma infância infeliz e tentamos tornar-nos sua terapeuta, estamos a amar demasiado.
Quando lemos um livro de auto-ajuda e sublinhamos todas as passagens que achamos que o ajudariam, estamos a amar demasiado.
Quando não gostamos das suas características básicas, dos seus valores e comportamentos, mas os suportamos pensando que se formos apenas atraentes e suficientemente apaixonadas ele se modificará por nós, estamos a amar de mais.
Quando a nossa relação põe em risco o nosso bem-estar emocional e até, talvez, a nossa saúde física e a nossa segurança, estamos sem dúvida a amar de mais.
Apesar de toda a dor e insatisfação, amar demasiado é uma experiência tão comum para tantas mulheres que acabamos por chegar a acreditar que essa é a forma como devem ser as relações íntimas. Muitas de nós amámos de mais, mesmo que tenha sido apenas uma vez, e para muitas de nós a situação foi recorrente. Algumas de nós tornámo-nos tão obcecadas pelo nosso parceiro e pela relação que mal somos capazes de funcionar."

(Prefácio do livro
Mulheres que Amam Demais)

 

Escrevi uma resenha para o blog Amálgama sobre o livro Eu que Amo Tanto, de Marília Gabriela. O livro conta histórias reais de mulheres que sofrem de dependência afetiva em relação a seus parceiros e com isso acabam sofrendo, ou seja, mulheres que amam demais. Essas histórias foram narradas por freqüentadoras de um grupo chamado MADA (Mulheres que Amam Demais Anônimas). Esse grupo segue os mesmos moldes do AA (Alcoólicos Anônimos), com os 12 passos, a privacidade garantida e não tem fins lucrativos.

Entenda como funciona o Mulheres que Amam Demais Anônimas (perguntas freqüentes retiradas do site do MADA):

MADA é um programa de recuperação para mulheres que têm como objetivo primordial se recuperar da dependência de relacionamentos destrutivos, aprendendo a se relacionar de forma saudável consigo mesma e com os outros.

=>Quem são os membros de MADA e por que se reunem?
São mulheres que tem um vínculo que as une: acreditam que a dependência de relacionamentos afeta profundamente suas vidas. Reunem-se para partilhar suas experiências, fortalezas e esperanças.

=>Como receber ajuda?
Provavelmente alguém falará sobre uma situação que se assemelha à sua. A partir de uma experiência pessoal e, sem dar conselhos ou fazer interpretações psicológicas, é oferecida ajuda. Mesmo que não encontre ninguém nas mesmas condições que as suas, poderá se identificar com a forma com que muitas das mulheres sentem os efeitos que a dependência de pessoas produz em suas vidas.

=>Quem vai ao grupo precisa dizer alguma coisa?
Não. Se preferir, pode somente escutar. A mulher é livre para escolher, mas a experiência indica que compartilhar com pessoas que entendem seu problema traz muito alívio. Guarda-se o que serve e descarta-se o resto.

=>Alguém saberá de sua participação?
Não. Recomenda-se respeitar o anonimato de cada participante. Usa-se apenas os nomes das mulheres. Não se fala das mulheres que participam das reuniões, nem é repetido o que é ouvido delas. Protege-se também o anonimato daquelas pessoas das quais as mulheres são dependentes.

=>Trata-se de uma irmandade religiosa?
Não. Aceita-se a idéia de que há um Poder Superior, que nos ajuda a resolver os problemas e a encontrar a paz espiritual. A crença de cada mulher é uma questão pessoal e, portanto, respeitada como tal.

=>Quem dirige este grupo?
Todas as mulheres. Porém, para manter a ordem e conseguir um funcionamento uniforme, elege-se as coordenadoras do grupo que irão exercer suas funções. Todas trabalham como voluntárias para manter o local em ordem.

=>Quanto irá me custar ?
Não há mensalidades ou honorários a serem pagos para unir-se a este grupo. O sustento provém das próprias contribuições, que são feitas de forma voluntária. Usa-se o dinheiro arrecadado para pagar o aluguel da sala, comprar livros referentes ao tema e para manter os próprios módulos de literatura.

Conheça as características de uma Mulher que Ama Demais e pode precisar de ajuda:

>Incapacidade de viver relacionamentos amorosos saudáveis;
>Tendência constante a se apaixonar por pessoas problemáticas;
>Prisão emocional;
>Atração por parceiros ausentes, negligentes, imaturos ou mesmo violentos (fisicamente e/ou verbalmente);
>Considerar relacionamentos estáveis como aborrecidos e monótonos;
>Não conseguir se desvencilhar de relacionamentos destrutivos, mesmo quando eles causam grandes problemas.

Estes são apenas alguns dos itens que pode identificar uma mulher que sofre de dependência afetiva.